quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Versions - Os remakes e relançamentos do primeiro Mega Man


Traduzido pelo colaborador Henrique

Toda vez que a Capcom decide celebrar o sucesso de Street figher eles tem a interessante tendencia de ignorar o original que começou tudo, em 1987. Claro que todo o sucesso da série se deve a SF2, de 1991, que inclusive deu sequencia a outras séries, como final Fight por exemplo. A não ser por alguma compilação de jogos, o original não costuma aparecer muito. Sem remakes, sem lugar nas coleção de aniversário, nada.

É curioso então que o Mega Man original, lançado alguns meses depois do Street Fighter, não tenha o mesmo problema. enquanto  alguém pode dizer que o Mega Man original tem qualidade muito próxima de seus sucessores, ao contrário de Street Fighter, seu sucessor, Mega Man 2 foi o responsável por colocar a série no mapa e divide apenas com Mega Man 3 o posto de mais querido pelos fãs .

Além disso, Mega Man nunca encarou o desafio de ser simplesmente lembrado como um parente do Arcade como SF foi. As compilações nunca se negaram de incluí-lo e é sempre o primeiro a ser lembrado, refeito e relançado para as novas plataformas.

Como resultado, apesar de MM2 e MM3 serem mais populares, isso permitiu ao original algumas oportunidades únicas, ports e relançamentos que seus sucessores nunca tiveram chance de participar.

Mega Man

Originalmente lançado para o Famicom no Japão em 87 como Rockman, o robô azul estreou com a história do maléfico Dr Willy em sua busca pela conquista do mundo usando os robôs do Dr Light como seu exército pessoal. Sem outro recurso, seu assistente Rock se dispõe a uma profunda transformação para se tornar um super robo capaz de atrapalhar os planos de Willy.

O jogo logo chegou ao NES, onde ganhou atenções não apenas pelos grandes gráficos e sons, mas também pela dificuldade e gameplay único. Escolher a ordem em que gostaria de enfrentar os seis chefes robôs  e adiquirir suas armas especiais foram os destaques que colocaram Mega Man acima dos Metroids, Mario Bros e Castlevanias da época.

Apesar dos seus conceitos revolucionários, o original tinha alguns pontos que apesar de serem padrões para a época, parecem arcaicos hoje em dia. Especificamente, os jogadores não tinham como repor suas energias em sua jornada sem encontrar as capsulas de energia, o que foi remediado em MM2 com os E tanks. Pior ainda, não havia maneira de parar o jogo e retomar de onde havia parado, a não ser deixando o videogame ligado. Isso também foi solucionado em MM2 com o sistema de passwords e mais tarde em MM8 com o uso de memory cards. Mas naquele tempo os jogadores tinham que derrotar os seis chefes robos e os quatro estágios da fortaleza de Willy de uma só vez.

Enquanto o design de Mega Man foi aperfeiçoado durante os anos, ele manteve alguns atributos únicos. Jogos futuros usaram letras para definir o desempenho do jogador, enquanto o original foi o único a exibir um placar de pontos. Havia até mesmo itens específicos apenas para aumentar os pontos. De fato, os jogadores que queriam mais pontos podiam retornar a qualquer robô derrotado e lutar contra eles novamente. Enfrentar os chefes novamente foi retirado dos jogos seguintes, até retornar em MM4 em diante.

Finalmente, Mega Man também incluía um segundo botão de pausa; além de apertar Start para chamar a lista de armas, o Select causava a tradicional pausa no jogo. Esse ponto podia ser explorado durante as batalhas, principalmente contra o Yellow Devil, que permitia que um único tiro causasse vários danos a cada retorno da pausa. Para prevenir isso, nos títulos seguintes esse recurso foi retirado.

Resultado disso foi que muitos ports futuros e versões do jogo não tinha a função pause para trapacear, fazendo do Yellow Devil um chefe difícil de encarar. Apenas alguns ports diretos, como os do Virtual Console do Wii ou Nintendo 3DS permitem aplicar este truque.


Mega Man in Dr Willy Revenge

Lançado para o Game Boy em 91, Mega Man in Dr Willy's Revenge não é apenas um port ou versão e sim um tipo de remix ou "best of", geralmente pegando melhor dos elementos de dois MM diferentes e juntando-os, com algumas melhorias.

Em Dr. Willy's Revenge o jogador escolhe quatro dos chefes robos de Mega Man ; por alguma razão Bomb Man e Guts Man foram deixados de lado. Além de condensar o jogo, os jogadores são levados diretamente a fortaleza de Dr Willy após derrotar os 4 robos, onde então enfrentam 4 dos chefes de MM2: Quick Man, Bubble Man, Heat Man e Flash Man. Neste ponto há uma diferença dos outros títulos, pois há dois robôs com armas baseadas em fogo, e logicamente 2 armas de fogo para serem adiquiridas.

Alguns novos inimigos fora colocados, o mais notável foi o original Mega Man Killer, Enker. Com seu Mirror Buster, ele podia absorver os disparos de Mega Man e redirecioná-los.

Dr Willy's Revenge usava personagens grandes em uma tela pequena, deixando o jogo ainda mais desafiador. O jogo tinha um sistema de password que permitia aos jogadores retomar o progresso de onde tinham parado, após trocar as baterias AA.


Mega Man Willy Wars

Após o sucesso de Super Mario All Stars, que trazia 4 aventuras de Mario em um único cartucho para SNES, com melhorias gráficas e sonoras, a Capcom tentou seguir a fórmula lançando os 3 primeiros jogos da série para o Mega Drive em Rockman Mega World.

Cada um dos três primeiros jogos de Mega Man tinham bateria para saves e foram atualizados os gráficos de 16-bit e o som, que não funcionou tão bem como com a conversão de Mario. O sprite de Mega Man acabou um pouco mais alto do que antes, enquanto a maioria outro personagem permaneceu o mesmo, resultando em estranheza, como Mega Man elevando-se sobre seu velho irmão Proto Man.

Da mesma forma, alguns fundos de fases foram atualizados com resultado estranho, como a fase de Top Man. Além disso, enquanto as músicas dos jogos eram tão verdadeiras e marcantes como sempre, a saída via chip de som da SEGA não fazia justiça com as versões ouvidas no NES.

Ao contrário de Super Mario All-Stars, que era uma reembalagem dos quatro títulos Super Mario Bros, a Capcom envolveu sua compilação em uma narrativa que Wily envia Mega Man volta no tempo para reviver essas aventuras. Se Mega Man fosse um menino crescido ao invez de um robô, poderia ter sido uma boa forma de justificar o sprite mais alto.

Isso tudo culmina nos quatro níveis da Wily Tower, onde Mega Man pode selecionar seu estoque inteiro de itens dos três primeiros jogos e enfrentar os estágios novos (embora com inimigos conhecidos em todos) da Unidade de Gênesis apropriadamente dita, um grupo de três robôs baseados em personagens de Journey to the West. Derrotando-os Mega Man pode enfrentar Wily mais uma vez antes de deixar rolar o final.


Talvez a coisa mais interessante de todas em Mega Man: Wily Wars é que, enquanto ele foi lançado no varejo no Japão, em 1994, e mesmo na Europa, em 1995, não recebeu nenhuma versão na América do Norte. Em vez disso, foi oferecido, em 1995, exclusivamente para aqueles que subscreveram ao SEGA Channel.

Como resultado, apesar de queixas de sua qualidade comparado aos originais de NES e talvez devido ao seu conteúdo original, continua a ser um dos mais procurados jogos da franquia para os fãs da série. E, no entanto, o título não tem visto nenhum relançamento nem parece haver nada no horizonte que nos aproximamos do 25 º aniversário de Mega Man.




Mega Man para DOS

A maioria diria que este não é um port ou um remake, mas sim uma farsa. Uma empresa chamada Hi-Tech Expressions adquiriu a licença para lançar uma versão do Mega Man (e mais tarde Mega Man 3, ignorando completamente 2) para o MS-DOS. O jogo tinha pouca semelhança com seu material de origem.

Com apenas três novos Robot Masters mal desenhados (Sonic Man, Volt Man e Dyna Man), gráficos desagradáveis, efeitos sonoros pobres e falta de música, este jogo oferece pouco para os fãs do robô azul além de um poucos elementos originais (como uma história sobre Mega Man ter que parar o supercomputador do Dr. Wily, CRORQ).


Mega Man (Game Gear)

Em outro caso de "vamos reutilizar o nome original", os norte-americanos foram presenteados com outro Mega Man exclusivo para eles, e quem melhor para publicar um título do que uma empresa chamada U.S. Gold?

Lançado para o Game Gear, em 1994, esta versão do Mega Man parece ser um exemplo de imagem perfeita de um desenvolvedor não ter qualquer idéia do que eles estão fazendo, e simplesmente criar um jogo, a fim de colher qualquer lucro potencial que podem do resultado. Embora nomeado como o jogo original que começou tudo, Mega Man para o Game Gear é realmente uma combinação de elementos de Mega Man 4 e 5 no NES, com algumas pinceladas de outros jogos da série.

Há apenas seis Robot Masters, com três de um jogo e o resto do outro, e apenas quatro estão disponíveis no início. Após a derrota, os jogadores podem enfrentar os outros dois na cidadela do ausente Dr. Cossack antes de ir atrás de Willy, que aguarda no final de um nível emprestado de Quick Man de Mega Man 2, mas com a frustração adicional de não ser capaz de ver todo o layout de uma área devido a uma tela apertada que rola quando você pula.

Alguns vão criticar jogos de Mega Man por não ter uma história (embora haja uma quantidade surpreendente de acontecimentos), mas o título Game Gear leva a um novo nível, literalmente, sendo nada mais do que "derrote Dr. Wily." A falta de cuidado com o que passa na narrativa torna-se especialmente evidente quando Mega Man vai para a fortaleza de Wily de Mega Man 4 para o confronto final, apenas para destruir a cidadela de Dr. Cossack ao invés disso.

Adicione um rangido (incluindo o de todos os medidores de suas armas enchendo sempre que você pressionar Start), uma redução na quantidade de tiros que você pode ter na tela ao mesmo tempo (dois em vez de três no normal), as questões de rolagem acima mencionados (saltos de fé são muitos, basta imaginar jogar o estágio de Quick Man desta  maneira), a falta de continues, além de uma longa lista de outras questões, e você tem um título só podemos esperar que a Nintendo não se preocupe em perder um slot no Virtual Console com ele.


Rockman Complete Works

Em 1999, a Capcom entregou ao PlayStation uma coleção:  Rockman Complete Works, que eram as atualizações dos primeiros seis jogos Rockman, cada um lançado em ordem seqüencial. Estes seriam os primeiros ports verdadeiros dos jogos vistos desde The Wily Wars para o Sega Megadrive / Genesis ... embora, ao contrário daquela versão, essas não receberam o tratamento e revisões completas.

Os jogos oferecem dois modos com algo velho e algo novo. Com o modo original, a experiência é mais ou menos como jogar o jogo de NES, mas no modo Navi, inúmeras mudanças aparecem. A jogabilidade básica e gráficos permanecem os mesmos, mas a vida e os medidores de armas de energia parecem mais com os de Mega Man 8. A subtela de armas também foi atualizada, Beat mostra para onde ir, e em pontos-chave você pode até mesmo pressionar o botão Select para pedir conselhos úteis a Dr. Light (ou outros personagens).

Outras características incluem um modo Boss Atack, uma galeria de arte desbloqueáveis, e um bestiário de inimigos que você derrotou durante todo o jogo. Os jogadores também podem escolher entre dois níveis de dificuldade e duas trilhas sonoras diferentes, incluindo o original e uma versão remixada com músicas dos jogos de arcade. Você também pode salvar o seu jogo em um dos oito slots de cartão de memória do PlayStation.


Uma outra característica adicionada ao Complete Works é o uso do PocketStation. Com este acessório, os jogadores podem baixar e jogar um jogo chamado Pokeroku ("Pocket Rockman", é claro), um jogo de estilo pet virtual que lhe permite ganhar experiência e subir de nível com seu personagem através de mini-jogos e confrontá-lo contra outro Pokeroku de outros usuários. Além do mais, você pode exportar os dados do PocketStation de volta para o jogo para aumentar o nivel de Mega Man e dos Robot Masters.

Rockman Complete Works, juntamente com seus cinco irmãos, iria passar a ter uma segunda edição no Japão e mais tarde ser embalado com uma cópia de Rockman X7 como a "Rockman Collection Special Box" para o PlayStation 2. De um modo geral, permaneceria exclusivo para o Japão até 18 de janeiro de 2011, quando foi lançado como um clássico do PSone na PlayStation Store. No entanto, embora finalmente visse um lançamento ocidental, a maior parte do texto permaneceu em japonês, nem havia qualquer suporte ao PocketStation.

Mega Man Anniversary Collection 

Na América do Norte, o lançamento da Coleção Mega Man Anniversary para o PlayStation 2 e GameCube (Xbox obteria sua própria em 2005) seria o primeiro port verdadeiro do jogo original desde Wily Wars, cinco anos após o Japão ter recebido Rockman Complete Works. Na verdade, a coleção tem todos os seis jogos da Complete Works, juntamente com o Mega Man 7, 8, e os dois jogos de arcade, e compilados todos em um único disco.

No entanto, a desenvolvedora Atomic Planet Entertainment  não portou os jogos simplesmente, optando por realizar um pouco de edição nos originais. Vindos do Complete works haviam o bestiário, art galllery (embora a coleção teve a sua própria), os Boss Atacks, e, claro, o conteúdo PocketStation. As opções de modo de navegação mantiveram-se, no entanto, com o benefício adicional de uma tradução em Inglês.

Além disso, a versão de GameCube sofreu um revés adicional: as funções dos botões B e A invertidas. Reviews esqueceram-se de mencionar isso, com alguns jogadores lamentando a mudança e outros simplesmente ignorando-a. A questão poderia ter sido insignificante se a Atomic Planet tivesse deixado a configuração dos botõeses como em Complete Works e Mega Man 8 havia. Ao invez disso, eles se certificaram que fossem removidas outras coisas, como o fim de Mega Man 7 e o tom adequado para as vozes em Mega Man 8.

Mega Man Powered Up

Talvez a mais notável das muitas versões, ports e re-lançamentos de Mega Man é a de Mega Man Powered Up para o PSP. Um reboot, recontando a origem de Mega Man com muitas características adicionais, diálogos, e um estilo de arte totalmente novo.

Esta iteração decidiu renunciar o visual anime mais tradicional que há muito era associado com a série, e em vez disso optar por um estilo "rechonchudo" consistindo de cabeças grandes e corpos pequenos destinados a evocar um pouco as proporções ímpares que os sprites originais do NES tinham. Os estágios apareceram mais colorido e lúdicos, bem como, os inimigos reagindo, quando derrotados, de uma forma muito mais caricatural do que antes.

Além de uma fase de introdução nova (com o seu próprio Boss) onde Wily rapta os Robot Masters de Dr. Light em um saco gigante, Powered Up trouxe um total de oito  e adicionou dois novos Robot Masters, o desacelerador do tempo Time Man e o sempre controverso Oil Man, com o último recebendo uma reforma ligeira nas cores para sua estréia ocidental. Esta reformulação incluiu o ciclo de fraqueza para acomodar os recém-chegados e a série tem muito bem documentada seus Robot Masters, numericamente em ordem de dificuldade no jogo.

Tal ponderação não durou muito tempo, no entanto, já que esta versão do jogo permitiu que os jogadores controlassem os Robot Masters, cada um com suas próprias armas e talentos especiais. A chave para fazer isso era derrotar cada um usando o Mega Buster de Mega Man, com o Robot Master derrotado basicamente iniciando uma nova versão do jogo nomeado por ele mesmo (Cut Man Powered Up, etc) e com uma história diferente, onde eles foram os que foram deixados para trás por Wily desta vez.

Isto resultou em diferentes experiências de jogo, com um pouco de diversão e alguns não tanto (Guts Man é extremamente limitada por seus ataques, infelizmente), e alguns desafios únicos. Por exemplo, Fire Man ganhar ao ser exposto a ataques de chamas, mas sofre quando na água - um grande obstáculo a superar em uma parte do castelo Wily, onde o chefe é subaquático. Eles também lutam contra seu próprio sósia no fim do jogo, com "Mega Man?" tomando seu lugar em seu estágio normal.

Personagens adicionais estavam disponíveis para downloads e destraváveis. Estes incluíram Mega Man em sua forma normal de assistente de laboratório como Rock, que pode chutar; "Mega Man S", que pode deslizar, "Mega Man C", que pode carregar seus tiros e deslizar; Roll, que ataca com um cabo de vassoura e tem um guarda-roupa completo de trajes para download e, finalmente, Proto Man, cujo Proto Shield, salto em altura, e Proto Strike devastador o faz uma força incrível para se contar.

A Capcom poderia ter parado por aí, mas não o fizeram. Um modo "estilo antigo" também está incluído e se destina a evocar mais de perto o jogo original, mas possui os mesmos recursos visuais e desvantagens (ou seja, você não pode atirar através de paredes como no original) como o modo New Style. Além disso, há o modo 100 Challenges para completar, o que pode causar sofrimento até mesmo no veterano mais experiente dos jogos de Mega Man.

A cereja no topo de tudo isso é o modo de jogo Construction. Pela primeiro vez, os jogadores podem construir seus próprios níveis de Mega Man com materiais fornecidos, bem como a opção de desbloquear mais materiais com pacotes de bônus, até mesmo indo tão longe como adaptar certas regras e restrições para jogá-los. Estes poderiam, então, ser enviados para o servidor da Capcom e compartilhado com os outros, que poderia, então, classificá-las de acordo.


A desvantagem verdadeiramente trágica de tudo isso é que Mega Man Powered Up, enquanto bem recebida criticamente, não vendeu bem. Houve uma abundância de razões possíveis especuladas, desde sua aparição tão prematura no ciclo de vida da PSP a uma falta de existencia de jogadores de Mega Man proprietários de PSP, com muitos fãs lamentando sua falta de presença no Nintendo DS, que tinha em casa a vários outros títulos Mega Man.

A Capcom não achou por bem relançar Mega Man Powered Up, nem seu título irmão: Mega Man: Maverick Hunter X, em quaisquer outras plataformas ou serviços. Eles acabaram por liberar tanto para a PlayStation Store japonesa como para download para PSP, mas apenas Maverick Hunter X foi para a loja da América do Norte, com a Capcom EUA alegando "dificuldades técnicas" em fazê-lo funcionar aqui.


Mega Man (Celulares)

Durante a última década, houve duas versões diferentes de Mega Man para dispositivos móveis. O primeiro foi um lançamento nos EUA de 2004, que mudou um pouco as coisas, fazendo estágios mais curtos e com desenhos diferentes do jogo original. A fortaleza de Dr. Wily, por exemplo, foi reduzida a uma luta com um Robot Masters e os guardiões responsáveis pela fortaleza com recargas de energia entre eles.

A música do original está presente, mas não os efeitos sonoros, e agora existem dois modos: um "modo normal" com uma pontuação e três vidas (mas você tem que começar de novo quando você perde todos elas), e um modo de captura, com vidas ilimitadas e a opção para salvar, mas não de pontuação.

O Japão se obtve a sua própria libertação, em 2007, que chegou mais perto do jogo original. Em 2008, ele foi atualizado para desbloquear Roll como um personagem jogável depois de vencer o jogo.

Finalmente, um port para celulares ocorreu em 2011, com o jogo original lançado para o Japão em telefones Softbank Galápagos Android. Pouco se sabe sobre o jogo, só que de alguma forma se aproveita da tecnologia 3D sem óculos que o telefone oferece.

Fonte: 1UP

Um comentário :

  1. Ótima matéria. Quem é fã da série, assim como eu, vai adorar!. Uma coisa que eu acho curiosa, é que a muito é discutido de qual foi o melhor jogo da série. O que eu acho engraçado é que o 3 é muito aclamado em blogs e sites no ocidente. Já no Japão o 2 é considerado uma obra prima. Eu aforo o Mega Man 3. E outro titulo que me agradou muito foi o Mega Man 8 lançado para PSX e Saturn. lembrando que o Saturn tem uma versão especial que vinha com uma musica diferente no estágio do Tengu Man e um coletânea de desenhos enviados por fã, na maioria crianças, em uma promoção feita pela Capcom que escolheria 6 desenhos para virarem chefes de fase (Exceto Tengu Man e Astro Man). Sem contar que era possível enfrentar Cutman e WoodMan. Bons Tempos!! =]

    ResponderExcluir

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...