sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Kingdom Hearts é o melhor jogo de 2002


Em uma votação um pouco mais acirrada que a anterior, ficou decidido por vocês que o melhor jogo lançado no ano de 2002 é Kingdom Hearts.


1º: Kingdom Hearts - 29%

2º : GTA: Vice City - 27%

3º: The Elder Scrolls III: Morrowind - 7%

4 º: Resident Evil Remake / Warcraft III: Reign of Chaos - 6%

OBS: Os votos para o jogo Sonic Adventure 2 foram ignorados, por ele ser um jogo de 2001.

26 comentários :

  1. Na votação fiquei em dúvida entre Sonic e KH. Acabei votado em Sonic Adventure 2 por fazer parte da minha infância quando frequentava locadoras de videogame. A fraquia Kingdom Hearts me conquistou de um jeito que chegou a me fazer passar meses economizando pra adquirir um PSP só pra jogar KH Birth of Sleep. Esse ano a mesma economia pra ter um 3ds por causa do Dream Drop Distance. O resto foi via emuladores DS/GBA e PS2 emprestado de amigos.

    Creio que mereceu ganhar. Os jogos tem animações e cenários magníficos, personagens carismáticos e um enredo muito (complexo) interessante.

    ResponderExcluir
  2. merecido! e o birth by sleep consegue replicar a mesma qualidade dos jogos de ps2. isso é um indício do público que frequenta o blog: em outro blog um jogo como morrowind jamais perderia para kh.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado, eu já fiquei espantado com Morrowind pegando o terceiro lugar. Achei que seria MENOS lembrado ainda! Foi o meu voto, até porque nunca tive um console... :(

      Excluir
  3. Ao meu ver, apesar da história mal contada, conceitos que se modificam e se complicam a cada jogo sem nunca dar uma unica explicação decente, gameplay repetitivo, clichês de animes em abundância, decisões de design imbecis e inconsistências de roteiro, KH venceu... Vai entender...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mimimi de quem jogou e não entendeu nada da história kkkkkkk.

      por que a história é mal contada? pra afirmar uma coisa vc tem que mostrar as razões.

      por "conceitos que se complicam a cada jogo", entenda-se: você muito mal jogou o primeiro e já queria entender a história. KH 2 explica tudo sobre o roteiro. o problema é que ele faz isso nos últimos 30 minutos de jogo. e o roteiro em geral da série é de alta qualidade.

      Gameplay repetitivo? durante todo o jogo, novos elementos vão sendo adicionados ao gamepluy: primeiro ataques básicos; depois magias; depois summons; depois fusão de itens; limit breaks; há coleta de itens; postcards; armas de varrer com o rodo; os 101 dálmatas para procurar em todos os cenários. Sora pula mais alto (isso corta um dos maiores clichês dos jogos, o do pulo duplo) e depois voa. se vc não se satisfez com isso, deve ser um jogador bem difícil de manter entretido.

      a história não apresenta "clichês de anime", meu caro. caso vc não tenha entendido qual é a sacado do game, KH procura "REVIVER" os grandes momentos dos clássicos Disney pela ótica de um personagem da Square Soft.

      cite as inconsistências de roteiro que eu te provo por a mais b que foi vc quem não entendeu a história, o que não chega a ser nenhum problema, visto que ela é complicada mesmo.

      Excluir
    2. 1- Coração. A série tem um foco absurdo em corações, mas nos jogos ele já representou:
      -Luz/bem
      -Trevas/mal
      -Intuição
      -Guia
      -Força
      -Sentimento
      -Poder
      -Humanidade
      -Personalidade.

      2- Heatless: Primeiro disseram que os heartless são seres sem coração. Depois disseram que é o que sobra de você depois que você morre. Depois disseram que é o que sobra de você se o seu coração é removido. Depois disseram que existem heartless ''criados em laboratório''.

      3- Nobody's: Disseram que eram seres sem coração. Depois disseram que eram seres sem sentimento. Então disseram que só tinham lembranças de como era ter sentimentos (se você se lembra de como é sentir, automaticamente você não sente?). Além do fato de que se você observar o comportamento dos membros da Organization 13th, eles claramente demonstram sentimentos.

      4- Os Mundos: No primeiro jogo, os heartless estavam destruindo as paredes entre os mundos, por isso Sora e cia. conseguiam viajar entre os mundos, mas isso é resolvido o final do primeiro jogo. Se as paredes foram reparadas, como eles podiam continuar viajando entre os mundos?

      5- Keyblade e Seu Design Estúpido: Inicialmente era tido como uma arma pertencente a poucos escolhidos mas num teaser que acompanhava alguma cópias de FF XIII, havia uma cemitério com centenas delas.E porque a keyblade se chama keyblade se ela não tem uma lâmina e nunca é usada como chave?

      6- Design: Porque eles tem os pés gigantes? Por que os olhos deles parecem radioativos? Quanto tempo Sora e Riku demoram pra amarrar todos aqueles cintos e fivelas na roupa? Porque no primeiro jogo eles estão de roupa e tênis numa praia? Porque um dos bosses é um clone de sith com quatro lightsabers?(na boa, de vez em quando o Tetsuiya Nomura parece ter fumado)

      7- Gameplay: Embora novos elementos sejam adicionados, o combate se resume a esmagar o botão de ataque o mais rápido possível. Os Summons em KH: Chain of Memories e KH2 tem utilidade quase zero. Coleta de itens nunca foi uma tarefa realmente divertida em nenhum jogo. Além do mais, todos os jogos da série são repletos de backtracking, o que os deixam ainda mais repetitivos.

      8- Personagens e Momentos: Durante todo o jogo você não vê nenhuma evolução dos personagens. Quanto aos clichês de animes, vejamos:

      - Poder da amizade salvando o dia? Confere!
      - Poder que sai do nada e derrota o mal? Confere!
      - Temática ''unidos venceremos'' concentrado num nivel nauseante? Confere!
      - Vilão com motivações esdruxulas e frases clichês? Confere!
      - Personagens masculinos andrógenos? Confere!
      - Protagonistas que se gostam mas não se pegam? Confere!

      9- Momentos Disney: Na maior parte do tempo novos personagens são introduzidos apenas para introduzir novos mundos. Alguns dos motes são burlescos, como Sora ter de ajudar simba a reconquistar Pride Rock porque o mesmo fugiu com medo do fantasma do scar (o que automaticamente jogou toda a jornada e evolução de Simba no filme no lixo)

      Na real a história não é complicada, é construída igual ao roteiro de lost. E não foi por fala de tentativa, pois eu joguei todos os jogos da série abominável (menos Dream Drop Distance). Eu não sei por que eu faço isso comigo, e nem porque eu vou assistir crepúsculo no cinema...

      Excluir
    3. vamos lá (eu devia ganhar pra isso...)

      1- camarada, não sei se você percebeu, mas a palavra "heart" no jogo é uma metáfora para "alma", "espírito", "essência". se você levar ao pé da letra, aí sim é que não faz sentido. todos já sabem há muito tempo que os sentimentos humanos não se originam nem no coração nem no fígado (como era convenção há algum tempo);

      2-não sei em que parte do jogo você leu isso, pois pra mim os heartless foram muito bem explicados:

      -heartless são criaturas das trevas que se originam quando uma pessoa comum é consumida pelo seu lado negro.

      -acho que você acabou trocando as bolas um pouquinho, pois os NOBODIES é que se originam dos heartless. Eles são uma casca vazia com ecos dos sentimentos da mente que os originou.
      Quando um heartless é muito forte ele dá origem a um nobody igualmente forte e pitoresco, como é o caso do nobody de Xehanort (anagrama para NO HEART mais a letra x).
      Quando uma pessoa de “coração” forte se rende às trevas, ela pode dar origem a um heartless de proporções gigantescas (bosses e sub chefes). Isso ficou bem claro na descrição dos inimigos no KH2;

      3-o fato dos nobodies demonstrarem sentimento só confirma a teoria de que eles têm alguma coisa falsa no lugar do que deveriam ser seus sentimentos. Se você reparar no comportamento de personagens como Marluxia e Xemnas. E outra: se recordar de sentimentos não é a mesma coisa que sentir não. Eu posso olhar nos seus olhos e dizer que te odeio do fundo do meu coração. Posso franzir a testa e crispar os lábios em sinal de raiva, mas se eu não te odiar de verdade fica tudo na encenação, no teatro. Conhecer o caminho é diferente de trilhar o caminho... rsrsrs;

      4-quem disse que os personagens só conseguiam viajar por causa disso? E eu não me lembro de ter ouvido que as paredes entre os mundos estavam sendo quebradas coisa nenhuma. O que o jogo conta no começo é que os heartless estão devastando o coração dos mundos para comrrompê-los (aqui a palavra é usada n o sentido de centro, núcleo, caso alguém leve ao pé da letra e pense que um planeta precisa visitar o cardiologista).
      Os heróis do jogo sempre tiveram essa capacidade graças à (desgraçada da) Gummy ship. O rei Mickey e personagens como Yen Sid já faziam esse tipo de viagem antes da crise do primeiro jogo ter início;

      Excluir
    4. 5-design estúpido pode até ser, se você tiver travas que te impeçam de reconhecer que qualidade em uma obra pelo fato de julgá-la como “coisa pra criança”. Mas quero que você me aponte um design mais original de arma em qualquer jogo da mesma época.

      A Keyblade não é usada como chave? Você deve estar sentindo falta das portas trancadas de Resident Evil, pois o único tipo de porta que a Keyblade não destranca são essas.
      Sora usa a Keyblade para trancar o “coração” dos mundos e impedir o acesso dos heartless. Você poderia citar a incongruência de que, mesmo depois que Sora faz isso, continua a aparecer monstros nos cenários. Mas aí eu te lembraria que KH ainda é um jogo de videogame e que precisa de certos elementos para continuar a funcionar.

      Riku, possuído pelo nobody de Xehanort, usa uma keyblade negra para destrancar o coração de Maleficent e liberar todo o seu potencial para as trevas;

      No KH 2, Sora usa a Keyblade para: destrancar baús; destrancar caminhos entre os mundos (caminhos esses que foram restaurados depois que os portões do KH foram fechados por Riku e Rei Mickey); para destrancar o selo de Hades no mundo inferior.

      Sobre várias pessoas usarem a Keyblade, não me lembro do roteiro do game dizer que só havia UMA keyblade. O que o jogo afirma é que a keyblade escolhe o seu dono por seu coração especial.
      Eu concordo com algumas coisas, como no KH 2 em que até a Kairi usa uma Keyblade para lutar. Mas aí vai de uma decisão errada do roteirista, que achou que ficaria legal uma personagem que não dá um tapa durante todo o jogo tirar uma keyblade do bolso e partir pra luta.

      Sobre a keyblade ser uma lâmina, vale uma pequena aula de inglês: como todos sabem, a língua inglesa é totalmente descritiva, o que significa que uma palavra não tem seu significado tão arraigado quanto em outras línguas como o português, por exemplo.
      Veja a palavra DRIVER: quem traduz driver como motorista merece levar um soco na boca do estômago. Essa palavra significa “algo ou alguém que conduz”. Não se refere a algo específico.
      O mesmo pode se aplicar à palavra “BLADE”: pode ser lâmina cortante; pá; hélice e etc. é uma referência ao formato de um objeto.

      E outra: se você prestar bastante atenção perceberá que várias keyblades possuem um design de lâmina, como a Oblivion, Lionheart e lá vai o trem...

      6- “Porque eles tem os pés gigantes?” só uma pergunta: você já assistiu a algum desenho da Disney? Preste atenção ao visual dos personagens e saberá do que eu estou falando. Ou você acha que cairia bem um protagonista com o visual do Chris Redfield do RE5 em um jogo para o público infanto-juvenil?

      Por que Mario tem bigode? Por que Sonic tem sapatos de palhaço? Por que Samus usa ombreiras dos anos 80 em plena era espacial?
      Ótimas perguntas... quem sabe uma entrevista com os criadores de todos esses personagens consiga responder a esses questionamentos irrelevantes para a qualidade final de uma obra. Só mais uma pergunta: você já ouviu falar em “falácia Ad Hominem”?

      Sobre os Lighsabers, concordo. Aliás, esse plágio está tão na cara que é o mesmo que chutar cachorro morto. Se Nomura dissesse que é fã de guerra nas estrelas eu não me surpreenderia nem um pouco. e qual a obra que é 100% original? Não há conceitos de Star Wars copiados, e sim a aparência de um vilão que aparece nos últimos 40 minutos de jogo;

      Excluir
    5. 7-todos os fatores que vc citou, camarada, são totalmente relativos: como vc pode afirmar que coleta de itens não é fator de diversão? Eu me divirto muito colecionando itens em jogos. Ou vc vai negar que nunca carregou aquela arma fraquinha e obsoleta no Fallout ou qualquer outro RPG apenas pelo visual, nome legal ou efeito bonito? O que diverte vc em um jogo pode não divertir outra pessoa. Se o game não tivesse itens colecionáveis e backtracking, provavelmente você acusaria o mesmo de ser curto.
      KH é um RPG DE AÇÃO, então nada mais natural o esmagamento de botões (isso quebrou o botão X do meu psp, acredite, eu sei como é...).
      Ainda sobre o sistema de itens, vc poderia usar um argumento melhor: o de que ele não recompensa o jogador e que demora pra engrenar.

      8-não há evolução? E quanto ao personagem Sora e Riku? Você devia esmagar menos botões e prestar mais atenção ao enredo rsrsrs.
      Um jogo infanto-juvenil, com personagens prontos vindos de seus próprios mundos mostrando “pegação” pré-adolescente? Eu não sei se deixaria um filho meu jogar uma aberração dessas. Caso vc precise, jogos como playboy mansion e GTA estão aí para suprir essa necessidade.

      É fácil pegar “momentos” de uma forma totalmente aleatória de um jogo que não simpatiza/gosta e dizer que eles são constituídos apenas por clichês.
      Você se esqueceu de citar momentos como: Squall e Cloud lutando lado a lado; Aeris viva e interagindo com os outros personagens (seu ódio por FF7 deve ter te impedido de aproveitar esse momento, talvez); o esforço heróico de Riku para salvar Sora de uma avalanche de lasers do inimigo...

      9-confesso que dos clássicos Disney eu não me recordo muito bem o enredo. Esse mundo do rei leão realmente é um pé no saco. Mas pra cada mundo menos inspirado há uma centena de outros em que o roteirista não só representou muito bem o universo como acrescentou algo à mitologia, como Aladdin usar seu último pedido para libertar o gênio (isso já tem no desenho) E pedir para que ele acompanhe Sora, visto que o ladra não pode abandonar seu próprio mundo.

      A história seria parecida com a de Lost se soltasse uma pancada de mistérios no jogador e não se desse ao trabalho de explicar, coisa que quem jogou o KH 2 até o final sabe que não acontece.

      Estamos aí. Abraços.

      Excluir
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    7. 1- Sobre os mundos, essa foi a explicação dada no primeiro jogo, conceito que foi jogado fora nas versões seguintes (e as fases da gummy ship foram feitas por satã).

      2- Se você re-jogar os jogos da série, vai perceber que ''heart'' assume todas as conotações que eu citei.

      3- Sobre os sentimentos, eles são descritos como pessoas sem ''coração'', desprovidas de qualquer sentimento. Mas sobre eles terem algo no lugar dos seus sentimentos nunca é elucidado na série.

      4- A keyblade tem o formato físico de uma chave, mas nunca ninguém enfiou a keyblade numa fechadura e girou. Quando sora abria um baú, ele dava uma pancada no mesmo. Pra destrancar o coração da maleficent, ele toca nela com a keyblade. É como eu ter uma espada-ferro-de-passar, que ao invés de desliza-la sobre a roupa, eu bato na roupa com ela. E é dito que a keyblade só pertence a alguns poucos, não à um só. E o fato do ''blade'' no nome: Sora usa a keyblade como uma espada, logo blade tem o significado de lâmina cortante.

      5- Sobre os sapatos gigantes, é só uma implicância minha para tons humorístico (fail).

      6- Ok, coleta de itens é um fator relativo, que particularmente não me agrada. Mas eu não reclamaria se do backtracking, se toda vez que eu voltasse para uma área, eu tivesse fatores diferentes da visita anterior. KH adotou backtracking pelo fato de ser um jogo de custo relativamente baixo a carregar RPG no seu gênero, o que obrigatoriamente o força a se alongar, por isso muitas vezes o jogo parece se arrastar. Eu não reclamo da duração do primeiro Modern Warfare, porque ele tem a duração exata que deveria, e os produtores não o alongaram por ele ter apenas de 5-6 horas no single player.

      7-Mesmo que o jogo seja um rpg de ação, não acha que ele deveria ter mais de um botão de ataque, criando assim uma variedade de combos mais extensa?

      8- Em momento algum os personagens demonstram ter crescido (bom, só a voz do Haley Joe Osment). Nunca é apresentado um dilema onde os personagens realmente demonstram ver algo de um ângulo diferente ou repensar seus conceitos? E quando eu disse se pegarem, foi mais num sentido de ''namoradinhos''. O Sora e a kairi claramente gostam um do outro, mas nunca fazem nada à respeito (isso acaba de me lembrar o nível de tensão sexual reprimida em Resident Evil...).

      9- Os momentos que você citou serviram apenas como fan-service, o que à propósito é um grande clichê dos animes.

      10- Quero citar o mundo da pequena sereia onde o sora vira um ''sereio'' e ganha uma cintura de violão... o que meio nojento.

      11- Basta trocar ''mistérios'' de lost por ''conceitos'' em KH que você vai perceber que o Nomura escreve seus roteiros sem pensar no que significam e nas suas implicações.

      No mais, nada mais.

      Excluir
    8. vamos lá de novo:

      1-sim, Satã em pessoal desenhou as fases da gummy ship. mas ainda discordo do que vc falou sobre os mundos;

      2-até aí a coisa ainda fica no campo da metáfora. vc disse que o problema era que "coração" fugia do significado, depois diz que assume várias conotações. se decida;

      3-por não terem sentimentos, talvez os nobodies mimetizem os atos daqueles que um dia foram. para tirar a dúvida, pergunte para um deles... ou para o roteirista...

      4-aí vc já está caindo no campo do irrelevante, meu caro. KH é um jogo que se passa em um mundo de fantasia. nenhuma das exigências que vc faz sobre o uso da keyblade são necessários na lógica do universo em questão;

      5-concordo com o fail. se sapatos grandes fossem demérito o palhaço Bozo não seria amado por todos até os dias de hoje rsrsrs;

      6-jogo de custo baixo é algo extremamente questionável, visto que KH apresenta vários personagens licenciados da Disney e elenco de estrelas na dublagem;

      continua...

      Excluir
    9. continuando...

      7-um jogo precisa ter uma variedade de combos extensa só porque é um rpg de ação? isso eu não sei. pergunte ao criador do sistema porque ele decidiu por apenas um botão de ataque ao invés de dois. no KH 2 o sistema foi ainda mais simplificado, pois basta esmagar X e apertar triângulo feito um louco. no primeiro ainda vc ainda tinha que ter certo nível de perícia para acertar o tempo dos limit breaks e técnicas. esse seria um defeito que eu aceitaria como válido se vc apontasse;

      8-o jogo deixa bem claro que, antes detudo, Sora e Kairi são AMIGOS. Não há uma obrigação para que os dois virem um par romântico.
      A diferença entre o primeiro KH e o segundo é de apenas UM ANO. Não teria como os personagens crescerem tanto em pouco tempo, a menos que tomassem esteroides. E isso fica evidente sim, pois quando Sora sai da cápsula de Naminé suas roupas estão mais curtas;

      9-fã service? O que você chama de fã service? Colocar situações reconhecíveis aos fãs de Final Fantasy EM UM JOGO QUE ABORDA O UNIVERSO DE FINAL FANTASY? Então esqueceram de avisar ao Nomura que todo o KH é uma obra de fã service. Como falar de FF sem abordar FF? Só o sombra sabe a resposta...

      10-bizarro sim. Mas dentro das bizarrices já conhecidas nos clássicos Disney;

      11-não é Tetusya Nomura o responsável pelo roteiro da série, e sim um ilustre desconhecido chamado Kazushige Nojima. E falta vc apontar o que ficou sem explicação no enredo dos jogos...

      Estamos aí pro que der e vier, enquanto a platéia se divertir. Abraços.

      Excluir
    10. Depois do natal e do meu estômago ter voltado à seu tamanho original, continuemos *suspiro*

      1- Essa foi a explicação do primeiro jogo.

      2- Ao assumir um gazilhão de conotações, ele foge do significado automaticamente.

      3- Eu vou esperar KH3 pra ver se a galera da square pare de fumar e explique isso direito.

      4- O problema é que KH não precisa ser coerente com a nossa realidade, mas sim com a sua própria, o que não acontece muitas vezes. Isso até seria relevante se o jogo não se levasse tão a sério.

      5- Inicialmente, o personagem principal seria Mickey, mas como a disney não liberou seus direitos, eles criaram a roupa do Sora para lembrar o Mickey... Mas não sei se funcionou bem.

      6- Baixo custo no sentido de que não teve um orçamento gigantesco como Final Fantasy

      7- A falta de variedade torna o jogo chato com o tempo, se eu não posso aprender outras técnicas que vão além de esmagar um único botão, o sistema de combate não é simples, é burro.

      8- Pensando nisso agora, Sora tem uma obsessão muito grande em chegar ao Riku... E quando eu disse crescer, não é fisicamente.

      9- KH é um jogo que tenta puxar o jogador de duas maneiras:
      -Pela nostalgia: todos temos um pouco de nostalgia Disney. Mas quanto aos personagens de FF, deixe-me lembrar um fato. FF estourou no ocidente com FFVII, o que se seguiu com FFVIII. Para muitas pessoas foi o primeiro RPG que jogaram, portanto guardam uma grande nostalgia pelos mesmos. E que personagens vemos lutando juntos de costas um pro outro? Qual personagem que havia morrido e retorna em KH? De qual jogo é o maior contingente de personagens de FF em KH? Isso meu amigo, é fan-service.
      - O outro jeito é pela sindrome de estocolmo, mas isso é história pra outro dia.
      10- Sora leão é menos gay, mas muito tosco.

      11 - Tetsuya Nomura é foi o designer de personagens, designer conceitual, diretor e participou da criação base e do roteiro

      - Xion foi criada à partir das memórias da Naminé de Sora. Como?
      - Vanitas foi criado com a escuridão do coração de Ventus. Como?
      - A X-blade seria usada para abrir completamente KH e isso causaria uma nova Keyblade war. Porque? E se a keyblade é usada apenas por alguns escolhidos, como se faz uma guerra com poucos escolhidos?
      - Se Sora é um moleque de coração puro, porque ele mata um membro da organização XIII por segundo em chain of memories?

      Antes era pão e circo. Hoje são discussões na internet. Té mais.

      Excluir
  4. o meu ver, apesar da história mal contada, conceitos que se modificam e se complicam a cada jogo sem nunca dar uma unica explicação decente, gameplay repetitivo, clichês de animes em abundância, decisões de design imbecis e inconsistências de roteiro, KH venceu... Vai entender...[2]

    concordo com tudo principalmente com desing imbecil

    ResponderExcluir
  5. http://images1.wikia.nocookie.net/__cb20120921164820/dragonage/images/2/2a/Anchorman-well-that-escalated-quickly.jpg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eleições... sempre polêmicas!

      Excluir
    2. Joe, meu detector de sarcasmo tá com defeito: qual é a da imagem do link?

      Excluir
    3. Fiquei impressionado com a dimensão que a discussão tomou.

      Excluir
  6. Discussões assim são divertidas de se assistir '-'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é uma completa verdade, estou a meia hora lendo isso

      Excluir
    2. kkkkkkkk. acho que o Fabrício cansou. e eu também. mas valeu. foi divertido kkkkk.

      Excluir
    3. Espere até um post sobre Final Fantasy VII/XIII ou Neon Genesis Evengelion.

      Excluir
  7. Acabou a discursão? Logo agora que fiz pipoca... hehehe

    ResponderExcluir

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...