terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Nobody Plays #47 - Hitman


Como parte das novidades do blog para 2017, agora vou tentar trazer sempre posts com versões escritas e em vídeo, assim agradando ao publico antigo e ao novo. Para estrear esse formato,  trago hoje um review do novo Hitman.



Desde o ano 2000, a IO Interactive trabalha em seus jogos da franquia Hitman. Em seu quarto jogo, em 2006, eles chegaram ao ápice da evolução da serie em Hitman: Blood Money, jogo onde eles finalmente conseguiram iterar de forma genial dentro da fórmula que eles vinham desenvolvendo. Finalmente eles conseguiram passar ao jogador a sensação de ser um assassino contratado, que tinha que encontrar suas próprias maneiras de eliminar seus alvos de forma discreta.

No inicio da geração passada, eles resolveram tentar algo novo e criaram a serie Kane e Lynch e lançaram dois jogos de ação cinematográficos, bem de acordo com as tendências da época. Quando foi hora de trazer a franquia Hitman de volta em 2012, eles resolveram inserir nela elementos de ação e uma jogabilidade mais direta. Apesar de um bom jogo, com controles muito melhores que os da série clássica, Hitman Absolution falhou em entregar a mesma experiência dos antigos, focando mais em cenas coreografadas e lineares e em uma história que muda bastante a personalidade do agente 47 e dá a ele um objetivo pessoal, em vez de contratos para matar estranhos. Absolution, com essas mudanças, deixou de confiar na inteligência e criatividade do jogador para cumprir os seus objetivos, se tornando um jogo mais “normal”.

Depois da recepção morna de absolution, era esperado que a IO Interactive desse um tempo da franquia, mas em vez disso, na E3 de 2015, eles anunciaram que iriam juntar tudo de melhor da franquia em um único jogo: A estrutura aberta de blood money e a jogabilidade modernizada de Absolution.

O anúncio foi recebido inicialmente com desconfiança, pois a ideia original dos desenvolvedores era lançar o jogo em um formato parecido com o do early acess do steam, e aos poucos ir adicionando mais conteúdo. Pouco antes do lançamento eles repensarem a estratégia e decidiram vender o jogo de forma episódica, onde o jogador poderia comprar cada cenário separadamente. Assim que o primeiro episódio foi lançado, os fãs de blood money já perceberam que ele era continuação que eles sempre quiseram ver.

O novo Hitman tem 6 cenários principais e duas pequenas fases de tutoriais. Cada cenário é um mundo à parte, onde cada NPC e um indivíduo único que cumpre seu papel dentro desse ecossistema, e cabe ao jogador estudar o comportamento desses diferentes personagens em busca de oportunidades para ficar cara a cara com seus alvos desprotegidos. Você pode roubar a roupa de um garçom para envenenar a bebida do seu alvo, de segurança para poder entrar em áreas proibidas sem ser incomodado e muito mais. Também existem dezenas de outras opções específicas para cada cenário e alvo, que podem ser descobertas por jogadores mais pacientes, ou seguidas de forma mais linear através de um sistema de oportunidades para os jogadores que querem uma experiência mais rápida e direta.

O primeiro cenário e em desfile de moda em um palácio em Paris, o segundo e o mais complexo, e a vila de Sapienza na Espanha, um cenário gigantesco que poderia ser dividido em três fases diferentes e ainda seriam fases grandes.


Marraquexe no Marrocos é o cenário mais bonito na minha opinião, com suas centenas de lojas de tranqueiras eletrônicas e barraquinhas de tapetes e iguarias locais.

Durante a temporada, também tiveram as fases de Banguecoque, na Tailândia, Colorado, nos EUA e a última fase, no Japão, que foi bem decepcionante, pois ela se passa em um Hospital hi-tech no meio do nada, um cenário muito menor e mais limitado do que os outros do jogo.

Além de sua missão de história, cada cenário tem missões extras que estendem muito o replay do jogo, com destaque para os Elusive Targets, alvos que aparecem por alguns dias no jogo e o jogador tem apenas uma chance de eliminá-los.

Pra mim, o único problema maior desse jogo é que o sistema de save / load é um pouco lento no PS4, o que é ruim para o jogador que quer fazer uma run perfeita da fase e precisa recarregar o save se ele cometer qualquer erro. Carregar o menu de saves já é lento, e o jogo ainda recarrega a fase inteira. Um sistema de quick load faria com que esse jogo ficasse perfeito.

Se você nunca jogou Hitman, ou não gostou muito dos outros jogos da série, dê uma chance para esse novo jogo, que ele com certeza vai te surpreender.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...