quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Fornever - Thrill Kill


Traduzido pelo colaborador Henrique

Thrill Kill é um jogo de luta para Playstation cancelado em 1998, que mesmo não sendo oficialmente lançado, uma versão quase finalizada chegou a internet, e ele se tornou relativamente popular. Thrill Kill traria algo raro nos jogos para o Playstation: quatro jogadores simultâneos no mesmo cenário, entretanto este diferencial técnico ficou em segundo plano devido à brutalidade e controvérsia que envolveram o jogo.

Situado em uma versão urbana do inferno, os personagens são todos almas amaldiçoadas lutando por uma chance de voltar ao mundo dos mortais, assistidos por Marukka, a deusa dos segredos, que organizou o torneio infernal e prometeu ao vencedor a reencarnação na Terra. O jogo conta também com roupas fetichistas e de sadomasoquismo, personagens com membros amputados e outras deficiências, além de golpes violentos com nomes como “Bitch Slap”, “Swallow This”, e “Head Muncher”. O cast de lutadores inclui uma dominatrix que usa um bastão elétrico, um redneck canibal que usa a perna de uma de suas vítimas como arma, um cirurgião plastico psicótico com mandíbula de metal e outras abominações que só vendo pra crer.


O gameplay consiste em uma sala 3D fechada onde até quatro oponentes lutam até a morte e finalizam uns aos outros com os tais Thrill Kills, muito parecidos com os Fatalities de Mortal Kombat. Cada ataque desferido resulta em um aumento do medidor de "sede por sangue". Ao invés da barra de energia, os personagens acumulam um "kill meter". Uma vez que esse medidor esteja cheio e o de "sede por sangue" também esteja no seu máximo, o personagem ganha força sobre humana, ativando o Thrill Kill para exterminar brutalmente um oponente, dependendo do botão pressionado.


Thrill Kill foi desenvolvido no final dos anos 90 para Playstation pela Paradox Development (que posteriormente se tornou um estúdio da Midway e foi fechado quando a mesma faliu). Houve muita expectativa envolvendo o jogo, esperando-se que fosse um novo Mortal Kombat. A distribuidora original era a Virgin Interactive, antes de ser adiquirida pela Eletronic Arts por 122.500.000 libras no fim do verão de 1998.

Neste ponto Thrill Kill estava completamente pronto e a banda de metal industrial californiana, Contagion, havia gravado várias músicas para o jogo. Poucas semanas antes da sua distribuição ele foi cancelado pela EA porque eles não queriam lançar "um jogo de violência tão sem sentido", achando que isso poderia afetar a sua imagem. A EA também disse que acharam o jogo tão ofensivo que nem tentariam vender o jogo para outra distribuidora que quisesse lançá-lo.

Tempos depois, ex empregados que haviam trabalhado no desenvolvimento do jogo, lançaram o jogo completo na internet, juntamente com várias versões Beta. Bootlegs do jogo invadiram o mercado e todos os arquivos ainda são facilmente encontrados em sites de isos e jogáveis por meio de emuladores.

A produtora chegou a utilizar a engine desenvolvida para Thrill Kill em outros jogos de luta, como X-Men Mutant Academy 1 e 2.

Fontes: Unseen 64 e Wikipedia (inglês)

11 comentários :

  1. Eu ja joguei esse jogo é até legalzinhoo...
    mas com o tempo fica meio enjoativo...
    pela pequena lista de golpes que o jogo proporciona...
    destaque para as musicas "METAAAAALLLLLL"
    e os cenarios que além de serem bem variados são os mais inusitados possiveis...
    é um jogo que todos deveriam experimentar até mesmo para cultura pessoal auhauuahuauah

    ResponderExcluir
  2. kkkk violencia sem sentido? depois lançam manhunt, nem sei se escrevi certo, e fica tudo beleza rs
    Jogo bem bizarro pro ps.

    ResponderExcluir
  3. Eu acredito que esse jogo teria seu espaço, caso tivesse sido lançado.

    ResponderExcluir
  4. Eu joguei este game, o jogo é bem bobo e é um pouco dificil por sinal, na época não achei ele tão violento assim, tem jogos piores como Manhunt por exemplo, o jogo era muito repetitivo e o game era basicamente isso, um unico comodo com esses personagens se espancando.

    ResponderExcluir
  5. O que chamava a atenção nesse game não era só a violência. Os personagens são bizarros também com direito a anão lutando com perna de pau e dominatrix gemendo o tempo todo! Eu achava esse jogo demais! Doente ao extremo e era divertidão de jogar com 4 players na mesma arena. Pra mim é um dos melhores games de luta do PS1. Olha que não jogo PS1 faz quase 15 anos, mas ainda me lembro desse jogo.

    ResponderExcluir
  6. eu tenho esse jogo muito sem graça

    ResponderExcluir
  7. Siceramente... esse jogo foi oq dixou a veia MORTAL KOMBAT viva enquanto nós (jogadores) passavamos pela era das trevas da franquia de MK....(FATO)
    Muito Obrigado Thrill Kill...

    ResponderExcluir
  8. vários dos golpes finais são extremamente se não idênticos aos fatalities da série mortal kombat, eles até poderiam recorrer a toda aquela viadagem de patente talvez se fossem gananciosos

    ResponderExcluir
  9. Ei tinha esse jogo pirata pro meu play1.
    25 DE MARÇO SEMRPE FOI O CANAL

    ResponderExcluir
  10. eu ja joguei, zerei no normal e liberei a marukka

    ResponderExcluir
  11. gente eu achei esse jogo perfeito foda demais e acho q a ea games deveria sim ter lançado ele

    ResponderExcluir

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...