sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Night Trap, o mais “doentio” e “repugnante” jogo da Sega


Night Trap, lançado em 1992, poderia ter sido apenas mais um jogo tosco para Sega CD, mas o governo americano o transformou na maior tempestade em copo d’ água na história dos vídeo games.

Desenvolvido pela Digital Pictures, um estúdio que era especializado na produção de jogos em FMV (full-motion-video). Night Trap é um jogo bem leve e inocente para os padrões atuais. Em 1992, porém, ele encontrou-se no centro das discussões do Senado e do Congresso Americano sobre a violência nos jogos de vídeo game. O negócio foi sério!

Night Trap foi riginalmente filmado e designado (juntamente com Sewer Shark, outro “clássico” em FMV da Digital Pictures) para um console que nunca chegou a ser lançado, chamado NEMO. Quando o NEMO foi para o buraco, a filmagem foi recuperada, algumas cenas foram refeitas para incorporar menções a Sega e com um orçamento médio de $1.5 milhão de dólares (preço alto para o começo dos anos 90), ele estava pronto para se tornar o jogo mais infame que o Sega CD teve a infelicidade de rodar.

A premissa de Night Trap parecia ser bastante inocente: um grupo de jovens está passando a noite em uma casa de família, a qual tem sido recentemente o centro de inúmeros desaparecimentos misteriosos. E você, como membro da SCAT (Sega Control Attack Team), são chamados para monitorá-los por meio de diversas câmeras de vídeo e certificar-se de que nada aconteça a eles.

A questão é que um jogo com uma casa cheia de jovens mulheres, algumas das quais não estavam usando muitas roupas, onde invariavelmente ocorre um ataque de uma espécie de vampiros sci-fi que roubam o sangue das garotas, lançado sobre o nome “Night Trap” e com uma arte de capa tosca, você tem o jogo que para os padrões de 1992 (e a percepção de que vídeo games eram feitos somente para crianças), foi considerado que tinha levado certas coisas longe demais.

Lançado primeiramente em outubro de 1992 no Sega CD, Night Trap encontrou-se rapidamente nos centro das audiências e discussões sobre a violência nos vídeo games organizados pelo Judiciário do Senado e o Comitê de Assuntos Governamentais. Ao lado de outros “controversos” jogos do período, como Doom e Mortal Kombat, Night Trap foi acusado de ser “vergonhoso”, “ultra-violento”, “doentio” e “repugnante”.

A cena-chave, a qual freqüentemente os opositores do conteúdo do jogo citavam, envolve a personagem Lisa sendo atacada por diversos “Augers” (os vampiros sci-fi). Tal cena era a prova das acusações de que Night Trap de algum modo encorajava as pessoas atacarem mulheres indefesas, desconsiderando o fato de que o trabalho do jogador era salvar a agora, e não roubar seu sangue.

Apesar dos protestos de ambos editores, tanto da Sega quanto da Digital Pictures, que apontavam que o jogo foi uma homenagem/paródia dos velhos filmes de terror trash (e também o jogo não continha nenhuma cena de violência ou sexo explícito), porém a pressão pública enfrentada obrigou a Sega retirar Night Trap das prateleiras no começo de 1994. Ele voltou posteriormente, inclusive para o Sega CD 32X, 3DO, PC e Mac, entretanto, sua única mudança foi no desenho da capa da caixa.

E o jogo foi, assim como a maioria dos outros títulos da época feitos em FMV, um lixo completo. Como um avanço tecnológico, ainda que, bastante impressionante para o período, apresentou-se melhor em outros consoles com melhor qualidade de vídeo do que a versão do Sega CD.
Versão de Sega CD
Mais importante, ao lado de outros jogos em destaque em 1993, a audiência organizada pelo Judiciário do Senado americano e o Comitê de Assuntos Governamentais sobre a violência nos vídeo games ajudou a pavimentar o caminho para a criação do sistema de classificação da ESRB (Entertainment Software Rating Board) que é utilizada até os dias de hoje, e que ajudou a definir melhor quais jogos seriam apropriados para crianças ou não.

Traduzido pelo colaborador Felippe Estevam Jaques

Texto original: Kotaku US (inglês)

12 comentários :

  1. Muito interessante esse blog, estou achando o conteúdo muito bom e de extrema qualidade. Continue com o bom trabalho!

    ResponderExcluir
  2. Seria interessante se houvesse algum jogo FMV nos dias atuais com boas atuações e tals...
    quem sabe nao sairia algo bom

    ResponderExcluir
  3. No AVGN sobre o Sega CD ele fala sobre este game,muito engraçado o comentario dele sobre esse jogo xD

    ResponderExcluir
  4. Então Daniel T, a diferença da década de 80 até o fim da década de 90 é que a indústria dos jogos ainda não era considerada como um mercado sério, portanto muitos dos jogos ainda eram feitos em garagens. Mesmo a Sega e a Nintendo nos primórdios licenciavam diversos jogos ditos "caseiros", essa falta de controle de qualidade permitiu pérolas como o Night Trap e outras belezuras em FMV.
    Hoje a preocupação com a qualidade é infinitamente superior, o que levou consequentemente a produção de jogos belíssimos e inclusive com a dublagem de atores profissionais para dar mais impacto aos games. Acredito que podemos considerar jogos como Heavy Rain ou L.A. Noire como sucessores espirituais dos infames FMV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. POr isso amigo felipe que achei desnecessário o comentário que o Neogamer veio dizer que os titulos em FMV foram um lixo, quando vi pela primeira vez esse jogo, em uma época que ao ver algo tão avançado me deixou de queixo caido, por mais que era um jogo de acionar comandos de setas, p mim foram jogos legais e bons, e não lixo. garanto que muitos naquela época que só jogava master, nes, snes e mega, aover os videos desses jogos ficaram como eu sem palavras, p depois falar que era ruins? acho nada ver isso, mas enfim opinião é opinião.

      Excluir
  5. Ótima matéria..Parabéns :)

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda lembro que era meio oculto na locadora... O Povo que jogava Night Trap era aqueles viciados do colegial...

    ResponderExcluir
  7. Texto legal!
    Se eu fosse dessa época, eu iria pensar duas vezes antes de comprar esse jogo só por causa da capa.

    ResponderExcluir
  8. ja joguei. a personagem principal é chamada dana plato, a mesma que faz o papel de kimberly no seriado "arnold" que passa no sbt. e que tbm ja apareceu como "minha família é uma bagunça" na nick

    ResponderExcluir
  9. sobre meu comentario acima, eu quis dizer que a atriz que interpreta a personagem pprincipal é chamada dana plato

    ResponderExcluir
  10. Dana plato era sensacional atriz,porem ela não soube aproveitar a sorte que teve e jogou tudo fora varias vezes,não sei pq ela fez isso. lamentavel.....

    ResponderExcluir

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...