domingo, 8 de maio de 2011

TimeLine Sega: Parte III - A era do Master System


Depois de ter falhado em ganhar dinheiro com o mercado de computadores, a SEGA percebeu que a única maneira de competir com a Nintendo, seria ter um hardware melhor. O calcanhar de Aquiles do SG-1000 era seu processador de vídeo ultrapassado. Para o seu próximo sistema, eles criaram uma versão altamente personalizada de um processador da Texas Instruments, que suportava a rolagem suave, uma enorme paleta de cores, e detalhados sprites de 16 cores. Junto com um grande aumento na RAM do sistema, e suporte nativo para os cartuchos de maior capacidade que os do NES na época, a Sega tinha tudo que era necessário para untrapassar o hardware da Nintendo.


O SG-1000 Mark III foi lançado no Japão em outubro de 1985, quase ao mesmo tempo em que era lançado o Nes nos EUA. Não demorou muito para a Nintendo dominar os dois mercados, fazendo os jogos de console voltarem a ser o grande negócio que tinha sido no reinado do Atari. Com um pouco de inveja, a SEGA decidiu invadir o mercado americano, na esperança de que ele poderia ser mais receptivo do seu território natal.

Sua ambição foi bem fundamentada. Quando seu console estava para ser lançado em 1986, o nome SEGA estava começando ter uma grande influência com os freqüentadores de arcades. Em 1985, Yu Suzuki lançou dois jogos que estavam anos luz à frente da concorrência em termos de gráficos: Hang-On e Space Harrier. Usando suas novas tecnologias, como o "Super Scaler" e seu hardware de 16 bits, estes jogos conseguiam geram gráficos lindos, detalhados, e pseudo-3D sem esforço.

Pouco tempo depois, eles introduziram seu popular hardware System 16, que traria uma série de sucessos, como Fantasy Zone, Shinobi e Altered Beast. O nome SEGA significava gráficos de ponta, e eles esperavam que essa fosse a vantagem que precisavam para assumir a frente do mercado americano.
Fantasy Zone, Shinobi e Altered Beast no arcade

O Mark III foi remodelado e batizado de Master System nos EUA, sendo lançado no final de 1986. A SEGA estudou as táticas da Nintendo de perto. Eles lançaram o sistema básico embalado com Hang-On e Astro Warrior por US$ 199, e um pacote que incluia a pistola Light Phaser, Hang-On e o jogo de tiro Safari Hunt por um pouco mais.

O lançamento japonês do Mark III tinha sido praticamente invisível, com quase nenhum jogo no lançamento, e apenas alguns poucos jogos no primeiro ano. A SEGA não queria repetir o mesmo erro nos EUA. Assim como fez com a conversão de seu recente hit de corrida do arcade incluído, a SEGA estava trabalhando duro para aproveitar a sua posição como desenvolvedora de jogos. Bem cedo na vida do sistema, versões caseiras de Fantasy Zone, Space Harrier, Wonder Boy, Choplifter! e Zaxxon ajudaram a construir a reputação da plataforma como a experiência superior do arcade em casa. Mais tarde, trouxe mais grandes hits, como Outrun, After Burner e Shinobi, que se tornaram alguns dos maiores jogos do sistema.
 Wonder Boy e Outrun no Master System

A Sega também compreendeu a necessidade de jogos originais no console. Super Mario Bros era um dos principais motivos do sucesso do NES, especialmente na América, e ela precisava de seu próprio Mario. Não muito tempo depois do lançamento do Master System nos EUA, a Sega lançou Alex Kidd in Miracle World, um jogo de plataforma side-scroller com muitas idéias originais. O título foi recebido calorosamente, mas, infelizmente, a SEGA não entendia o quão poderosa era a estratégia de agregação da Nintendo foi. Eles esperavam colher lucros do jogo, ao invés de incluí-lo na caixa para seduzir os jogadores, e o tiro saiu pela culatra. Alex Kidd foi um dos jogos mais bem sucedidos no sistema, e permaneceu como o seu mascote, mas a plataforma, simplesmente não tinha uma base instalada para conseguir um verdadeiro hit nos EUA.

As tentativas de conquistar o público com inovações exclusivas também falhou. O Master System gabava-se orgulhosamente da sua capacidade de armazenar jogos em cartões bem menores e mais leves que os cartuchos convencionais, o Sega Card. Infelizmente, ninguém se interessou, e o formato foi rapidamente abandonado. Em janeiro de 1987, a Sega revelou seu próximo grande diferencial: um óculos que permitia aos jogadores verem jogos em 3D em sua TV. Infelizmente, quando o 3-D Glasses foi lançado, o preço robusto e os poucos jogos compatíveis, tornaram o inovador dispositivo um fracasso.

Até o final de 1987, a quota de mercado da Nintendo nos EUA era estimada em cerca de 90%. O Master System foi afundando rapidamente e não mostrava sinais de melhoria. A SEGA of America lutou arduamente para conseguir um bom sistema de distribuição em todas as grandes lojas, mas simplesmente não conseguiu a publicidade necessária para competir com a Nintendo.

O poder da Nintendo era tão grande e absoluto, que ela conseguia controlar até as third-parties. As empresas que poderiam ter apoiado o Master System, foram ameaçadas de perder a licença para fazer jogos para o Nintendo caso o fizessem. Então a SEGA e uma pequena quantidade de colaboradores, foram obrigados a fazer suas próprias conversões licenciadas de jogos populares das third-parties para se manter competitiva, mas isso não foi suficiente. Mesmo com grandes títulos exclusivos, como Phantasy Star e Wonder Boy III, simplesmente não havia maneira de competir com o rolo compressor da Nintendo e seu exército de associados.
Phantasy Star e Wonder Boy III 

No Japão, o sistema tinha se saído ainda pior. Com uma vantagem extra de dois anos, a Nintendo já havia vencido antes mesmo do Mark III chegar. Na Europa, onde o mercado foi mais dividido entre os jogos de computador e os consoles, a Nintendo não teve a mesma base, e o Master System se saiu muito melhor, com o apoio se estendendo até a década de 90.

No Brasil, a história foi completamente diferente. O Master System, nas mãos da Tec Toy, conseguiu alcançar quase o domínio total, chegando a ter cerca de 80% do mercado brasileiro. No ritmo do grande sucesso do console no Brasil, a Tec Toy investiu, trazendo versões traduzidas de grandes títulos, modificando jogos ao adicionar personagens conhecidos do público brasileiro, como as versões de Wonder boy com a Turma da Mônica e Ghost House com o Chapolim Colorado e lançando ports exclusivos do Brasil de grandes jogos, como Street Fighter 2. Ela também lançou suas versões exclusivas do console, como o Master System Super Compact.
Mônica no Castelo do Dragão e Chapolim x Drácula: Um Duelo Assustador

Infelizmente, o mercado brasileiro não era o suficiente.

Fim da parte 3. Semana que vem vou falar da era do Mega Drive.

Fonte: IGN (inglês) Imagens: Moby Games e Sega Retro

Para continuar acompanhando as próximas partes da matéria, é só seguir nosso Twitter.






5 comentários :

  1. Eu fazia parte dos 80% que tinha o Master System. XD

    ResponderExcluir
  2. Caraca, eu ainda tenho master sytem III. Não canso de zerar Alex Kidd Miracle in The Word \o/

    ResponderExcluir
  3. ainda tenho meu Master 3! mas pena q só tenho 2 jogos: Monica O resgate e MK 2...mas mesmo assim adoro!

    ResponderExcluir
  4. Há algumas imprecisões na matéria, mesmo estando bem redigida.

    A nintendo nunca lançou oficialmente o Nintendo na Europa, dessa forma seu mercado oficial era restrito a alguns mercados europeus. No brasil veio lançar o NES em 91, aí fica fácil dominar um mercado onde a TEC TOY faz um trabalho de primeira enquanto não existe console nintendo por anos.

    Sem falar que o NES teve mais de 40.000 clones diferentes sem falar no milhoes e milhões de cartuchos pirateados.

    Quando o master enfrentou o NES perdeu, essa papo de ser prejudicado é balela. A nintendo tirou os jogos de videogame da lama, logicamente num primeiro momento as thirds manteriam-se na nintendo até o mercado se estabilizar, ainda mais que os títulos que vendiam mais era da própria empresa.

    Dá uma olhada no livro THE ULTIMATE HYSTORY OF VIDEOGAME, tem bastante informações sobre esse período.

    ResponderExcluir
  5. O brasil foi o país que mais comprou o master system?E a SEGA não liga pro nosso país até hoje ¬¬
    Mas o bom da SEGA é que ela tentou fazer tudo diferente,tentou revolucionar,tentou tentou e tentou.Mas se ferrou :x
    Coitada da SEGA véio,eu espero que um dia ela volte a ser grande como já foi,e também que olhe pra nós aqui ^^

    ResponderExcluir

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...