terça-feira, 10 de abril de 2012

Science of Games - Zumbis (parte 2)

Texto traduzido pelo leitor Nico di Angelo

Semana passada, nós começamos uma cruzada para entender a verdade por trás da ciência zumbi, e nessa semana, estamos continuando a jornada como investigamos a veracidade de pilares zumbis como Neurotoxinas e vírus da raiva. Dessa vez, o Games Radar pediu a ajuda do Dr. Steven Schlozman – Um professor na Harvard Medical School e o autor de “The Zombie Autopsies” – Para ajudar a ligar divertidas teorias zumbis para (Muitas vezes decepcionantes) ciência médica real.

Rage Zombies

O primeiro assunto que vamos cavar é uma das mais populares teorias modernas de zumbificação, e foi exibida muito recentemente em jogos como Dead Island (e de modo mais famoso, em filmes como “Extermínio”). A idéia por trás desta teoria é alterar a teoria zumbi padrão e remover os elementos fantásticos. Muitas pessoas não têm medo de coisas voltando dos mortos, por que isso é simplesmente impossível, mas qualquer um que já tenha passado por um homem louco nas ruas sabe o quão assustadora e desequilibrada uma pessoa pode parecer.

Nessa teoria, os “zumbis” (Alguns puristas não consideram zumbis raivosos como sendo zumbis canônicos, já que não há ressureição) contraem o vírus que drasticamente aumenta ambos seus índices de raiva e a necessidade instintual de comer.

“Há todos os tipos de assustadores de contágios que podem mudar o comportamento”, disse Schlozman. “Mas muitas vezes, essas doenças (Viroses, fungos, bactérias e parasitas) causam delírios. É uma palavra chique para encerar os estados finais da consciência, e na maioria das vezes é parecida com confusão severa.

Essa não é uma má analogia para zumbis tradicionais, mas por zumbis raivosos, você precisa colocar um pouco de agressão. “A raiva é outro bom exemplo. Você só tem raiva uma vez (Isto é, trata-se de 100 por cento fatal, se é permitido se reproduzir dentro de você). É um vírus transmitido das mordidas de outros mamíferos, e que se encaixa na tropa de Zombies, em que aqueles que estão infectados (Cães, morcegos, humanos, etc) têm seus cérebros alterados de tal forma que ele procuram, se tornam agressivos e mordem os outros.”

Tal como acontece com todas as teorias zumbis promissoras, no entanto, há um problema. ( Por que, vocês sabem, se as teorias fossem tão promissoras, nós teríamos zumbis agora). “Se formos ser puristas, então a raiva não funciona para zumbis. Pessoas com raivas vivenciam um inchaço grave em suas gargantas, que a mera visão de água os assusta. – Eles não conseguem comer nada

Por essas razões, há evidências o suficiente para acreditar que a raiva, um dia, leve ao “dogpcalypse”, o apocalipse de cães.

Neurotoxinas

Outra das modernas, também chamadas “realistas”, teorias zumbis, é a idéia de que pessoas normais e “boas” são infectadas com uma neurotoxina que ou causam danos sérios nas funções do cérebro, ou alteram sua consciência.

Foi perguntado ao Dr. Schlozman se neurotoxinas atualmente existem, e para que tipo de coisas elas podem ser usadas. “ Neurotoxina é um termo chique para qualquer coisa que é má - Tóxico – para o sistema nervoso”. Ele disse. “ Curare, por exemplo, é uma neurotoxina de uma planta que paralisa o controle nervoso dos músculos e é um veneno comum em Baiacus”.

Existem até medicamentos controlados que podem ser usados da mesma maneira. Isso traz à tona o medo das pessoas que uma praga zumbi fosse feita por homens. “ Nós o usamos todo o tempo na sala de operações e na mesa de cabeceira, mas nós as combatemos com outros agentes para manter as coisas acontecendo. Dessa forma, podemos abrandar função fisiológica suficiente para trabalhar, mas não tanto para que o paciente morra.”

Neurotoxinas também estão por trás da mais legal teoria ( Enquanto permanecer como uma teoria) encontrada na ciência zumbi, os Zumbis Haitianos.

Zumbis Haitianos

Antes de entrarmos nesse assunto, é importante notar que parte dessa informação é baseada em coisas verdadeiras que médicos inescrupulosos do Haiti costumavam fazer com as pessoas. Existem histórias que eles iriam usar neurotoxinas para zumbificar uma pessoa em um desajeitado e quase descerebrado escravo que poderia trabalhar duro em plantações de açúcar

Como Schlozman mencionou na última seção, algumas neurotoxinas podem desacelerar o metabolismo humano a um grau extremo se não forem combatidos. “ A tetrodotoxina encontrada em espécies de baiacu, é o agente putativo na criação da ilha e de Zumbis da África ocidental. Ela desliga autonômica (re: Respiração, batimento cardíaco, e outras coisas manipuladas pelo cérebro) função”. Disse ele . “Na ausência de avançadas ferramentas de diagnóstico médico, pessoas envenenadas com esta toxina parecem mortos.

Como não tive coragem de digitar "Haitian Zombie" no
Google, vai um LeChuck mesmo
Zumbis haitianos ganharam ampla atenção em 1980, quando um homem supostamente morto foi encontrado vagando em torno de uma vila próxima depois de ser declarado morto e enterrado em 1962. A acusação (Embora nunca foi inteiramente comprovada) era que os médicos estavam desacelerando o metabolismo do paciente (Misturando alguns ingredientes naturais com algumas toxinas) o suficiente para convencer a família que o homem já tinha falecido. Então, mais tarde, o médico voltou, desenterrou o corpo e afirmou-se de um trabalhador zumbi.

É uma coisa muito terrível, mas ninguém disse que o apocalipse zumbi seria bonito. Dito isto, esta teoria não dá aos Zombies alguma maneira de espalhar seu contágio, por isso mesmo que, se fosse inteiramente verdade, não ameaçaria a humanidade.

Não é todo dia que você conversa com um doutor de Harvard sobre teorias de zumbis. Por isso demos ao dr. Schlozman um chão para nos ensinar a sua teoria favorita. Ele nos contou um pouco sobre os detalhes que ele apresentou nas autópsias zumbis.

“[No livro] Temos um inseto no ar como a influenza, para levar experimentos como príons na cauda e acido nucleico do vírus de código para aumento da fome do hospedeiro. Depois de conversar com muita gente, eu não posso fazer uma praga de zumbis se tornar uma praga (Isto é, ameaçador contra toda a humanidade), a menos que vagueie pelo ar e permaneça em coisas como teclados e portas. Se nós apenas obtê-los por morder uns aos outros, nós teríamos muito mais tempo para Pará-lo.”

“Do ponto de vista mais metafórico” , continuou ele, “a minha teoria favorita é a modernidade. Eu sei que soa enfadonho, mas o mais desligado que nos tornamos enquanto pensamos que estamos cada vez mais conectados (Conversar com alguém no facebook não é a mesma coisa que oferecer ajuda quando eles caíram na rua), o mais zumbi nos tornamos”.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...