domingo, 19 de junho de 2011

TimeLine Sega: Parte IX - O bem sucedido lançamento do Dreamcast


Ao perceber o inevitável fracasso do Saturn, Bernard Stolar (CEO da Sega of America na época) já começou a trabalhar no próximo passo da empresa. Ele sabia que seu próximo videogame teria de ser completamente diferente. O hardware teria de ser simples, fácil de programar, e poderoso. A Sega tinha aprendido a lição com o Saturn.

Para criar o sistema que viria a ser o Dreamcast, a Sega dividiu o desenvolvimento do hardware em duas equipes, uma chefiada pelo criador do Mega Drive, Hideki Sato (o projeto foi inicialmente chamado de "White Belt" e depois "Katana"), e outra nos Estados Unidos (chamado de "Black Belt" antes de ser rebatizado "Dural"). Os dois projetos se desenvolveram e competiram de forma independente, e a Sega escolheria o melhor (conheça os protótipos dos videogames da sega nessa matéria do blog).

A equipe americana usou componentes americanos, construindo o seu candidato baseado nos chipsets 3dfx, que estava revolucionando o mercado de jogos para PC. A equipe japonesa também optou por utilizar tecnologias de seu país, com um processador Hitachi e chip gráfico NEC. Quando a empresa do 3dfx fez sua oferta pública inicial, ela divulgou detalhes do projeto com a Sega (que deveria ser secreto), resultando em uma processo que lhes custou o contrato.
 Protótipos do Dreamcast

Com o hardware japonês escolhido, o console precisava de conteúdo. O Sonic Team de Yuji Naka trabalhou na completa reinvenção de Sonic para o 3D, que tanto fez falta no Saturn. Yu Suzuki transferiu o seu projeto Shenmue do Saturn para novo hardware, onde ele poderia transformar suas grandes idéias para o jogo em realidade.

Para recuperar o mercado de jogos esportivos que eles tanto precisavam na América, a SEGA comprou a Visual Concepts. Stolar (quando trabalhava na Sony) já havia tido contato com a empresa quando eles estavam produzindo o primeiro Madden para o PlayStation (que nunca foi lançado), ele acreditava que eles eram capazes de competir com qualquer coisa que a EA fizesse.

Conseguir o apoio das third-parties não seria fácil, mas essa era a especialidade de Stolar. Com um hardware atraente, Namco, Capcom e Midway (todas desenvolvedoras de jogos de arcade) logo ficaram interessadas, o que iria reforçar a reputação do Dreamcast como uma excelente plataforma para jogos vindos do arcade. Mas havia uma importante empresa que não assinou o contrato: A Eletronic Arts. Eles exigiram a exclusividade dos jogos exportivos no console, mas a Sega, que havia acabado de comprar a Visual Concepts por 10 milhões de dólares, não aceitou esses termos, e a parceria não aconteceu. Críticos dizem que esse foi um dos grandes erros da Sega com o Dreamcast.

Para ajudar a alavancar sua posição como líder no mercado de arcade, a Sega fez uma versão do hardware do seu novo console para maquinas de arcade. Apelidada de NAOMI, a placa se tornou uma sucessora de baixo custo para a sua placa Model 3, e fez dela seu principal hardware, rivalizando com o Neo Geo como um dos hardwares de arcade mais populares, usada não só pela Sega, mas também por várias third-parties.

Stolar tinha mais um truque na manga que diferenciava o Dreamcast de qualquer console lançado anteriormente: Um modem de internet para partidas online. A Sega do Japão não acreditava na necessidade do modem, mas ele insistiu, e os japoneses resolveram fazer do jeito dele no final.

O lançamento japonês do Dreamcast foi em novembro de 1998. Como era normal no lançamento de consoles no Japão, ainda não haviam muitos jogos disponíveis, exceto por um port terceirizado de Virtua Fighter 3, que não chegou nem perto de ser tão popular quanto seus predecessores. Sonic Adventure foi lançado um mês depois, bem em tempo para o Natal daquele ano, dando um impulso nas vendas do videogame, mas nada sensacional.

O lançamento americano, no entanto, foi épico. 9 de setembro de 1999 (9/9/99) é uma data que será sempre será lembrada pelos fãs da SEGA. O videogame chegou com 17 jogos, que abrangiam todos os principais gêneros. NFL2K, a nova geração dos jogos de futebol americano, Soul Calibur, que é considerado um dos maiores jogos de luta de todos os tempos, e Sonic Adventure ajudaram a recuperar a antiga glória da empresa.

Foi simplesmente o mais bem sucedido lançamento de um console até o momento. A Sega estava de volta ao topo.

Fim da parte 9.
Fonte: IGN (inglês)

Para acompanhar as próximas partes da matéria, é só seguir nosso Twitter, o @NeoGamerbr.



5 comentários:

  1. Assim que foi lançado no Ocidente meu pai me deu um Dreamcast, Sonic Adventures é uma das melhores e grandes lembranças que tenho da minha juventude, ao lado de Soul Calibur e Shenmue, esse que por sinal é um dos melhores games que já joguei e infelizmente só cheguei no terceiro cd, não consegui terminar. O problema do Dreamcast era os jogos, muitos games de arcade e poucos games me prendia, além dos KOF e partidas em casa com amigos eu tinha cerca de 70 jogos, mas não jogava nem 10 deles. HeadHunter foi um dos últimos títulos que realmente gostei no Dreamcast até ver o PS2. O Dreamcast morreu e levou a Sega junto.

    ResponderExcluir
  2. Dreamcast foi um dos melhores consoles, foi o ultimo que joguei viciadamente, era muito bom sair dos graficos do PS1 e pular para o DreamCast, na epoca quem não ficou impressionado com o SONIC ADVENTURE, até hj considero o Sonic Adventure 1 e 2 os melhores jogos do Sonic em 3D, joguei muito Shenmue 1 e 2, Skies of Arcadia, Head Hunter, Soldie of Fortune, Test Drive 24 Hours Le Mans, Rayman 2, Ikaruga, GigaWings 2 entre muitos outros, Jogos de Lutas sem akeles loadings escrotos, Marvel Vs Capcom 2, Tkof 2000 e 99, SNK vs CapCOm, soul calibur, nossa realmente dreamcast na epoca ownou, pena que meteu os pés entre as mãos aderindo GD Rom ao invez do DVD que naquela epoca era como se fosse o PS3 com BLueRay porque quase ninguem tinha condições de ter um DVD player entre outras cagadas


    A sim ja ia esquecendo RE Code Veronica era maravilhoso, você via as baratas na parede andando era foda os graficos

    ResponderExcluir
  3. Ja ia me esquecendo, quem teve um dreamcast que nunca jogou com os amigos Power Stone 2, San Francisco Rush e Virtual Tenis 2K2 para 4 Players, era simplesmente d+ era uma jogatinha muito boa que saudades dakela zueira

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo, eu amava(amo o Dreamcast) cara Soulcalibur era PERFEITO passava horas na locadora jogando SC, o Spawn e o Power Stone,
    Gostava muito do Sonic, acho até hoje um dos melhores jogos de aventura (desculpa mario kkkk')
    E vc comparar o Soul Reaver do ps1 com o do DC era maldade kkkkkkk'. Sou feliz por Spawn,Shenmue,Power Stone, Bomberman, até hoje tô pra achar bomberman melhor que o online do DC.


    T.T SAUDADES ( ei aqui o pessoal usava um disco de boot e usava cópias piratas nos DC) não sei como foi com vcs =)

    ResponderExcluir
  5. No começo havia o Boot para poder jogar os games piratas, com o tempo foi lançado games com as tag's Selfboot, aonde não precisava mais do Boot.

    ResponderExcluir

Deixe aqui um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...